Museu da Imigração de Santa Bárbara d´Oeste completa 30 anos de fundação

30 de janeiro de 1988. Essa foi a data da fundação do Museu da Imigração de Santa Bárbara d’Oeste. Esse ponto turístico, histórico, cultural e arquitetônico  – que retrata a vinda das famílias imigrantes, origem e trajetória do Município – completa 30 anos de existência. O local é mantido pela Prefeitura, por meio da Secretaria de Cultura e Turismo. A data integra as comemorações do bicentenário barbarense.

 

Transmitindo a identidade cultural de Santa Bárbara, além de visitas de barbarenses e diversas cidades do Estado, o Museu recebe turistas dos Estados Unidos interessados em conhecer o “Segmento II – Correntes Imigratórias” que possui objetos, fotografias e textos a respeito da Imigração Americana.

 

O secretário de Cultura e Turismo, Evandro Felix, ressaltou que o Museu da Imigração representa a história e o desenvolvimento político do Município. “Ao longo dos seus 30 anos, o Museu acolheu diversos artistas barbarenses, do Brasil e do mundo. Nesses 200 anos, Santa Bárbara é brindada com uma data tão marcante deste símbolo material – que recebe como presente sua acessibilidade para que todos possam contemplar ainda mais sua beleza e história”, disse. “Desde 2013, o prefeito Denis Andia vem trabalhando na preservação do Museu, contribuindo para que o local mantenha-se vivo na vida de todos que por lá passam”, complementou.

 

Exposição comemorativa

Para comemorar a data, uma exposição audiovisual será lançada dia 7 de fevereiro, na Sala Antonio Duarte, com projeção de vídeos da história do Museu e imigrações de famílias vindas de diversos países a Santa Bárbara.

Será criado um espaço para apreciação dos materiais composto por almofadas e bancos. Até 28 de fevereiro, o visitante conferirá vídeos em 360 graus com conteúdo em quatro telas exibidas simultaneamente. O Museu abre de terça-feira a sábado, das 9 às 17 horas, e funciona na Rua João Lino, 371, no Centro.

 

Obras de acessibilidade

Marcando os 200 anos de Santa Bárbara o Museu receberá diversas obras de acessibilidade, como alteração na largura das portas, reformulação do espaço expositivo, nova iluminação interna e externa, instalação de elevador panorâmico para cadeirantes ou pessoas com mobilidade reduzida, entre outras ações. Já foram executadas: a construção de rampa, instalação de piso tátil e construção de banheiro adaptado. Todas as obras são acompanhadas pelo CODEPASBO (Conselho Municipal de Defesa do Patrimônio Cultural de Santa Bárbara d’Oeste), visto que o Museu está em fase de tombamento.

 

Preservação

Pensando ainda na preservação imaterial e documental, a Prefeitura lançará um canal no YouTube com vídeos históricos mantidos no Centro de Memória – anexo ao Museu. Serão postados conteúdos gravados em VHS pela Prefeitura, porém nunca convertidos ao formato digital. A exibição na internet é inédita e trará nostalgia ao telespectador.

 

História do Museu

O edifício foi construído no final do século XIX pelo Governo do Estado – completando 122 anos. Sediando atualmente o Museu da Imigração, foi projetado pelo arquiteto francês Victor Dubugras para abrigar a Casa de Câmara e Cadeia de Vila de Santa Bárbara. A instituição da Câmara deu à cidade emancipação política: elevou à condição de Vila, separando-se assim de Piracicaba, Município ao qual estava ligado.

 

A obra foi realizada pelo Departamento de Obras Públicas de São Paulo e faz parte de um conjunto de equipamentos que o arquiteto projetou para o Governo no interior do Estado naquela mesma época.

 

A Câmara ficou no prédio até 1913, quando passou a funcionar no Paço Municipal. A Delegacia de Polícia e Cadeia Pública funcionaram no prédio até o fim da década de 1970, o que provocou diversas transformações e adaptações na obra original. Durante os anos 80 o local ficou fechado e foi transferido para o Município que instituiu o Museu da Imigração, que permanece ainda hoje.

Comentários