Inadimplente – Qual a melhor forma para quitar a dívida?

“Dificilmente a pessoa conseguirá investir seu dinheiro acima do que vai pagar no financiamento”, afirma Fernando Marcondes, Planejador Financeiro do Grupo GGR.

A maior parte dos brasileiros já passou pela situação de receber constantemente ligações do gerente do banco oferecendo alguma oferta. Normalmente as ofertas são para um novo cartão ou crédito. Entretanto, atualmente, algumas instituições financeiras por saberem que a população está endividada, notaram a queda em pedidos de empréstimos. Para as instituições financeiras o empréstimo é um excelente produto em razão do juros alto, desde que este seja pago pelo tomador. Dados do Banco Central mostram que quase 50% das famílias brasileiras têm problemas com endividamento. Quando surge uma dívida, algumas pessoas pensam em vender seus bens ou resgatar um investimento, fazendo um saque. O Educador Financeiro do Blog de Valor, André Bona, acredita que seja a melhor solução retirar do investimento para que os juros não façam a dívida crescer. “Para o investidor que tem dívida, é importante que rapidamente elimine este problema da sua lista financeira, pois, os juros para pagar o débito sempre serão mais altos do que a rentabilidade do investimento. Pegar um empréstimo bancário, com os juros acima dos 4% é algo que poderá acarretar problemas futuros e diminuir os investimentos”, analisa André Bona.

Alguns clientes decidem também buscar um financiamento em empresas que fornecem crédito, mas ao mesmo tempo possuem investimentos no mercado, acreditando ter uma reserva financeira, mas quem faz essa prática pode estar se enganando. “Não é difícil ver clientes com financiamento ao mesmo tempo que tem dinheiro investido buscando obter patrimônio de forma confortável, o que pode fazer sentido emocionalmente, afinal de contas, se acontecer algo negativo, pode utilizar da reserva financeira para pagar as prestações, sem a necessidade de desfazer do bem financiado. Mas na realidade, se for pensar racionalmente, não faz o menor sentido, pois dificilmente a pessoa conseguirá investir seu dinheiro acima do que vai pagar no financiamento. Isto se chama ‘alavancagem’ e pode, caso seja mal administrado, levar uma família financeiramente saudável a falência em um piscar de olhos”, analisa o Planejador Financeiro do Grupo GGR, Fernando Marcondes.

Na questão de obter um imóvel ou obter algum bem durável criando uma dívida, é necessário sempre ficar atento aos juros, pois são eles os principais vilões dos endividamentos sem limites. É recomendado ter paciência na hora de financiar. “Por mais que pareça ser vantajoso financiar algo, não existem juros baixos, e encontrar investimentos que rendam, descontando taxas e impostos, mais do que é cobrado em um financiamento, é muito difícil e arriscado. Desta forma, se tem que financiar para ter um bem, é sinal que ainda não se pode ter este bem”, finaliza Fernando Marcondes, Planejador Financeiro do Grupo GGR.

Se não houve paciência e a pessoa já sofre com dívidas, existem diversas opções para quitá-las. André Bona vê os empréstimos em empresas de crédito menores como uma opção menos nociva. “Se o investidor prefere deixar o seu investimento intacto, não mexer e buscar um empréstimo, é melhor que ele vá atrás de uma empresa de créditos, pois existem diversas no mercado atual com uma linha de crédito abaixo de 4% ou 5%, taxa que os bancos tradicionais normalmente cobram”, finaliza.

Sobre André Bona

André Bona possui mais de 10 anos de experiência no mercado financeiro, tendo auxiliado milhares de investidores a melhorar a rentabilidade de seus ativos. Durante anos, foi sócio da Valor Investimentos, uma das maiores empresas de assessoria de investimentos no país.

Atualmente, como um dos educadores financeiros mais conhecidos do país, chegando aos 100 mil inscritos no seu canal no youtube. É criador do método “O Investimento Perfeito”, cuja filosofia e diferencial constam no fato de que as decisões de investimento são tomadas em função de projetos pessoais de cada um.

Sobre o Blog de Valor

Criado em 2011 com a iniciativa de André Bona, o Blog de Valor, tem como missão contribuir para que as decisões financeiras de seus leitores se tornem cada vez mais conscientes, trazendo melhor qualidade de vida financeira através de uma linguagem simples e direta.

Em 2012 iniciou o canal de vídeos na internet e em 2015 foi convidado para participar do programa de desenvolvimento do Youtube, com executivos da sede da empresa no Califórnia – USA. A sua produção educacional tem sempre como finalidade auxiliar pessoas e famílias a compreender melhor o mercado financeiro, por meio de conteúdos de fácil linguagem. Hoje seu canal possui quase 100 mil inscritos e sua página no Facebook possui mais de 85 mil seguidores. Além disso, outros 130 mil leitores recebem newsletter do blog por e-mail semanalmente.

Sobre o Grupo GGR

O grupo GGR é formado por três empresas: a GGR Gestão de Recursos, a GGR Planejamento Patrimonial e a GGR Estruturação.

           

            GGR Investimentos

Com mais de 6 anos de história, a GGR Investimentos atualmente é uma das mais conceituadas gestoras e estruturadoras de fundos e demais produtos financeiros. Atualmente, possui um total de 10 fundos, totalizando mais de R$ 480 milhões sob sua gestão. Durante sua história, a GGR Investimentos já estruturou mais de R$ 1 bilhão de operações em crédito com lastro imobiliário. Com expertise de mais de 20 anos, MBA em finanças pelo INSPER e passagens por grandes instituições financeiras nacionais e internacionais, o sócio gestor Telêmaco Genovesi Junior participa ativamente na estruturação de todas as operações.

GGR Planejamento Patrimonial

Inspirado nos modelos dos grandes multi-family offices e na filosofia de alocação de investimentos dos gestores de endowments americanos, foi criado o modelo BPC de planejamento patrimonial. Diferente de tudo o que existe atualmente disponível para o investidor brasileiro, o modelo engloba um minucioso estudo da situação patrimonial imobilizada, financeira, econômica e fiscal do núcleo familiar, inflação pessoal, exposição ao risco e outras variáveis, que resulta em uma estratégia adequada para criar uma estrutura protetora dos ativos e manter o poder de compra durante décadas. Com mais de 29 anos trabalhando em alocação de recursos, o sócio Fernando Marcondes participa pessoalmente de todos os estudos, seguindo seu “modelo BPC – (Blindagem de Poder de Compra)”. Nos últimos 13 anos, a GGR Planejamento Patrimonial auxiliou mais de 300 clientes, totalizando o volume financeiro de R$ 1,5 bilhão. O foco está em construir de forma sólida e proteger o poder de compra real do patrimônio e a previdência do cliente.

GGR Estruturação

Diante da necessidade e falta de parceiros capacitados para estruturar operações de crédito, FIPs, Fundos Imobiliários e, principalmente, monitorar de perto as operações após as liquidações, seguindo as exigências da GGR Investimentos, foi criada a GGR Estruturação para atender tal demanda. Com mais de R$ 1 bilhão em operações estruturadas, já é uma das estruturadoras mais conceituadas do mercado.