Governo autoriza reajuste de até 6,31% nos preços dos remédios

Percentuais de aumento foram publicados no ‘Diário Oficial da União’.
O menor reajuste, entre os tipos de remédios, será de 2,7%.

A Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), órgão do governo formado por representantes de vários ministérios, autorizou nesta quinta-feira (4) o reajuste de até 6,31% nos preços dos medicamentos vendidos em todo o país. Os percentuais de aumento foram publicados no “Diário Oficial da União”.Medicamentos genéricos

A autorização para reajuste leva em consideração três faixas de medicamento, com mais ou menos participações de genéricos. O reajuste segue a lógica de que nas categorias com mais genéricos a concorrência é maior e, portanto, o reajuste autorizado pode ser maior.

De acordo com resolução publicada nesta segunda, a categoria de remédios com maior participação de genéricos, na qual esses medicamentos representam 20% ou mais do faturamento, tem teto autorizado para reajuste maior: até 6,31%. Esta categoria reúne medicamentos como omeprazol (gastrite e úlcera) e amoxilina (antibiótico para infecções urinárias e respiratórias).

A categoria intermediária (nível 2), com faturamento entre 15% e 20%, teve reajuste autorizado de até 4,51% remédios, incluindo lidocaína (anestésico local) e risperidona (antipsicótico).

A câmara determinou que, no caso da categoria com menor participação de remédios genéricos (faturamento abaixo de 15%) o reajuste poderá ser de até 2,70%.

No último dia 12, a CMED havia autorizado o reajuste nos preços dos medicamentos em todo o país a partir do dia 30 de março –  sem, no entanto, definir de quanto seria. Ao contrário de como ocorria nos anos anteriores, os percentuais não foram apresentados antes dessa data.

Segundo a resolução publicada em março, o ajuste de preços leva em conta a inflação acumulada nos 12 meses até fevereiro, calculada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) , e que ficou em 6,31%.

Reajuste aplicado por distribuidoras
No início desta semana, mesmo sem essa resolução que determina os reajustes autorizados nos preços dos medicamentos, as distribuidoras já estavam repassando o aumento de preços, o que, segundo o ministério, não poderia ser feito.

Segundo Jorge Froes, diretor-executivo da Associação Brasileira de Atacado Farmacêutico (Abafarma), os novos preços estão sendo praticados desde a segunda-feira (1º). “Conforme vão chegando as listas [com os novos preços], o distribuidor simplesmente aplica, como a farmácia aplica. A origem é na indústria”, explica.

 

Fonte: G1

Comentários

Notícias Relacionadas

Vereador Bebeto visita Dep. Federal Paulinho da Fo... O vereador Émerson Luis Grippe, o Bebeto (SDD), esteve reunido, hoje (14), em São Paulo, com o deputado federal Paulo Pereira da Silva. Durante o ...
Anhanguera registra atropelamento na madrugada A Autoban registrou na madrugada desta segunda-feira (13/05), um atropelamento na Rodovia Anhanguera. O acidente foi no km 109 da pista sentido interi...
Alvorada acorda a cidade para a 27ª edição da fest... Americana será acordada nesta quarta-feira, 12 de junho, às 6 horas, pela tradicional Alvorada de fogos de artifício, que marca o início de mais uma e...
1º Encontro de Cultura acontece dia 18 Com entrada franca, a Secretaria de Cultura e Turismo de Santa Bárbara d’Oeste realizará no dia 18 de outubro, às 19h30, o 1º Encontro de Cultura. ...