Gerando Vidas: Fertilização in Vitro com Doação do Óvulo

Não são poucos os casos de mulheres que recebem a triste notícia de que seus óvulos não são mais capazes de proporcionar uma gravidez. Mulheres de idade avançada que estão se aproximando da menopausa ou até mesmo mulheres de idade mais jovens que tiveram a notícia de uma menopausa precoce. Nesses casos a única forma dessas mulheres conseguirem engravidar seria recebendo um óvulo doado.

Neste cenário nós temos dois grupos: as receptoras, aquelas mulheres que precisam receber o óvulo doado e as doadoras, mulheres que estão dispostas a dividir seus óvulos com outras pessoas para proporcionar uma gravidez.

RECEPTORAS

A principal preocupação das receptoras do óvulo é da origem do óvulo que ele vai ser oferecido.

O primeiro ponto, a doadora é anônima. Ela não sabe quem é a receptora e a receptora não sabe quem é a doadora. O intermediador, geralmente o médico, vai fazer a seleção. Essa seleção é feita de acordo com os critérios físicos (cor da pele, cor do cabelo, estatura) e também da tipagem sanguínea compatíveis com o casal que irá receber o óvulo.

DOADORAS

Quem são essas doadoras? Como faço para participar desse programa de óvulo doação?

Primeiro que são mulheres que precisam passar pelo tratamento de Fertilização in Vitro porque sofrem de infertilidade. Segundo são critérios técnicos. A mulher tem que ter menos de 35 anos, ter a triagem sorológica negativa, não ter nenhum antecedente pessoal ou familiar de doenças. Se preencher todos esses critérios ela deve passar por um especialista que fará uma avaliação de sua reserva ovariana. Se ela tiver uma boa capacidade ovariana para produzir um bom numero de óvulos ela finaliza seu cadastro e pode participar da óvulo doação.

 

PALAVRA DO DOUTOR

A minha maior preocupação com o tratamento de óvulo doação não são os critérios técnicos. As regras são muito bem estabelecidas e vão dar toda a segurança tanto pra receptora quanto pra doadora. O que eu mais me preocupo é se tudo isso está realmente sendo feito de coração. Isso vale tanto pra receptora quanto pra doadora.

Pra mulher receber um óvulo doado ela precisa estar espiritualmente envolvida e disposta a amar aquela criança independente da origem daquele óvulo. A doadora não é igual a receptora, ela não é a mesma pessoa, aquela criança vai herdar características genéticas de uma outra mulher.

O que eu quero saber é se a mulher que está recebendo esse óvulo está disposta a amar aquela criança independente da origem, do passado e dos meios que utilizamos pra chegar até lá? E o mesmo vale para as doadoras que participam do programa óvulo doação pois se não há nenhuma espiritualidade envolvida na ajuda com o próximo eu sugiro que não participem desse programa.

 

“Sou apaixonado por este tema. Cada nova história que presencio me motiva ainda mais em buscar caminhos para tornar realidade muitos sonhos que já se viram perdidos”, disse Dr. Davi.

 

 

Dr. Davi Buttros – Médico Especialista em Reprodução Humana. Formado pela PUC-SP, residência e mestrado pela UNESP-BOTUCATU. Aprimoramento em Reprodução Assistida na Universidade de Harvard-EUA e no Fertility Center Hamburg – Alemanha.

Comentários