Estresse pode ser causa de infertilidade?

Ginecologista e obstetra Dr. Luiz Eduardo Campos de Carvalho adverte o quanto a tensão pode atrapalhar e até impedir uma gravidez

O estresse pode afetar, não somente o emocional, mas também a qualidade e a saúde das pessoas. A relação do estresse com a fertilidade vêm intrigando muitos médicos, já que não se sabe, ao certo, qual o peso real dessa tensão no processo de uma gestação.

O jornal científica “Human Reproduction” publicou um estudo apontando que, mulheres com altos níveis da enzima alfa-amilase, indicador biológico do estresse encontrado na saliva, contam com 29% menos chances de engravidarem em comparação àquelas com baixas concentrações da substância. A respeito disso, a Universidade de Copenhagen, Dinamarca, divulgou também uma pesquisa onde, de cada dez casais que encontram dificuldades para engravidar, quatro não apresentam qualquer problema.

Não se pode afirmar que a causa específica da infertilidade seja o estresse. No entanto, o estresse está intimamente relacionado às taxas hormonais que afetam diretamente as funções do ovário. Em alguns casos, essa liberação de hormônio pode propiciar a contração da musculatura uterina e diminuir a vascularização, podendo provocar um parto prematuro.

Uma mulher, em condição de estresse, pode sofrer alterações em seu ciclo menstrual e, até mesmo, parar de menstruar. Além disso, há também uma série de reações neuroquímicas responsáveis por proteger o corpo contra as influências externas que podem causar danos. No caso dos homens, o estresse pode ocasionar uma redução da qualidade de esperma e de volume do sêmen, além de falta de libido e de ereção.

É bastante comum, durante o tratamento de fertilidade, que a paciente fique estressada. Isso ocorre porque as pacientes se sentem inseguras com a possibilidade de estarem grávidas ou não. Essa expectativa pode causar um aumento do hormônio cortisol e, consequentemente, uma alteração na qualidade ovulatória, bem como nas possibilidades de implantação do embrião recém-formado no útero, dificultando a gravidez e até aumentando a chance de um aborto.

Vale ressaltar que em uma situação de estresse, indicamos aos pacientes um trabalho multidisciplinar, onde contamos com o apoio de um psicólogo, terapias, meditações, práticas de yoga e acupuntura.

Dr. Luiz Eduardo – Reprodução Humana Limeira : Ginecologista e obstetra formado pela FCM/CAISM/UNICAMP com mestrado e doutorado em Tocoginecologia pela FCM/UNICAMP com especialização em Reprodução Assistida pelo Instituto de Ensino e Pesquisa em Medicina Reprodutiva de São Paulo.

 

Clínica Gera: Fundada em 1993, em São Paulo, pelo ginecologista e obstetra Dr. Joji Ueno, a Clínica Gera conta com um corpo clínico especializado, composto por especialistas com mestrados e doutorados pela USP e pela UNIFESP. A Clínica Gera conta também com cursos de pós-graduação na área de Reprodução Humana Assistida, além de assessoria clínica e cirúrgica a profissionais da área médica. Hoje, a Clínica Gera se posiciona como um centro nacional de referência na restauração da fertilidade, em videolaparoscopia ginecológica, video-histeroscopia e endometriose. Conta com unidade em São Paulo (capital) e filial em Campo Grande (MS).