24Horas Saúde

Dia Mundial da Alimentação: ONG Banco de Alimentos chama a atenção para o desperdício

Em 2018, a ONG Banco de Alimentos celebra seu 20º aniversário e mostra para o mundo que é possível minimizar os efeitos da fome e combater o desperdício de alimentos

São Paulo, 16 de outubro – A erradicação da fome é responsabilidade de todos. Atualmente, mais de 52 milhões de brasileiros vivem em estado de insegurança alimentar, sem acesso diário à comida de qualidade e na quantidade necessária. Apesar dos avanços das políticas públicas, 7,2 milhões de brasileiros ficam o dia inteiro sem comer por falta de dinheiro, ou seja, estão no estado de insegurança alimentar grave (IBGE, 2014). Para ter uma vida ativa e saudável, a recomendação das Nações Unidas é que a pessoa acima de 12 anos coma pelo menos 2.200 calorias por dia.

A associação civil ONG Banco de Alimentos recolhe alimentos excedentes de produção e de comercialização e leva para onde falta. Ao abraçar essa causa, em 1998, a economista Luciana Quintão desenvolveu um método que se tornou referência para a criação de novas organizações. O trabalho consiste em uma cadeia de valor com três pilares:

  • alimenta – colheita urbana, que busca alimentos onde sobra e leva para onde falta;
  • educa – ações educacionais e profiláticas, voltadas às comunidades atendidas em parceria com faculdades de nutrição;
  • conscientiza: conscientização sobre a fome e o desperdício na sociedade – disseminando informações para promover uma mudança social e o exercício pleno da cidadania consciente e incentivando o fim da cultura do desperdício.

Com a ação da ONG, cerca de 50 toneladas por mês de alimentos que seriam descartados, perfeitos para o consumo, transformam-se em complementação alimentar diária – saudável, equilibrada e em quantidade suficiente – para mais de 20 mil pessoas de 45 instituições cadastradas, entre crianças, jovens, adultos e idosos.

“O Brasil passou recentemente de 4º para 3º maior produtor de alimentos do mundo. É inadmissível termos 52 milhões de pessoas que vivem em insegurança alimentar. Mudar isso está em nossas mãos. Cabe a nós honrar esse país e alimentar essas pessoas. Um prato de comida pode mudar uma vida, é mais do que saúde, é vontade de viver. As nossas sementes frutificaram. Mais de 10 milhões de pratos de comida complementados nesses anos todos”, afirma Luciana.

Instituído pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o Dia Mundial da Alimentação é celebrado em 16 de outubro em mais de 150 países com atividades relacionadas à nutrição e à alimentação. Os eventos promovem conscientização e ação global para aqueles que sofrem com a fome e a necessidade de garantir a segurança alimentar e dietas nutritivas para todos. O Dia Mundial da Alimentação é também uma oportunidade para demonstrar o compromisso com o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 2 – Alcançar a meta do #FomeZero em 2030.

Conscientização

Passar informações, valorizar e fortalecer a cultura alimentar brasileira, conscientizar as pessoas sobre a importância de consumir alimentos regionais e na época correta é também uma das missões do Banco de Alimentos.

Com o evento “5 renomados chefs de cozinha, 5 regiões do país e 5 alimentos regionais”, realizado em São Paulo, no dia 5 de outubro, a ONG mostrou a riqueza da gastronomia e o potencial nutritivo que os alimentos de diversas regiões do país podem oferecer.

“Alimentação não é apenas a ingestão de nutrientes. É estar em família, é amor, bem-estar, cultura e lembranças. Como o Brasil tem dimensões continentais, acabamos não conhecendo todo o potencial nutritivo que os alimentos brasileiros podem nos oferecer. Promover a saúde por meio do combate à má nutrição é tarefa diária de todos que trabalham na ONG Banco de Alimentos. Nós, que moramos em São Paulo, somos privilegiados porque temos condições de experimentar alimentos muito diferentes”, afirma Natália Rodrigues, nutricionista da ONG.

Participaram do evento os chefs Cássio Prados (Região Sudeste), Fernando Mack (Região Centro-Oeste), Raul Godoy (Região Norte), Madu Melo (Região Nordeste) e Marcos Livi (Região Sul).

Com o slogan “Valorize suas raízes”, Madu Melo falou das propriedades nutritivas da mandioca, do cacau, do feijão verde, da palma e da carne de cabrito/bode. “É hora de quebrar paradigmas. Não tem sentido pagar uma fortuna por escargots e não comer palma. O cabrito é considerado o melhor amigo do sertanejo. Sua carne tem baixo teor de gordura saturada e de calorias, mas tem sabor e nutrientes. E a mandioca é a rainha do Brasil”, explicou Madu.

O chef gaúcho Marcos Livi falou das pesquisas realizadas pela Embrapa no Sul. “Temos identificados 600 tipos de pimentas, 300 espécies de abóbora, do arroz cachinho produzido em Sentinela do Sul e dos butiás, semente de palmeiras usada em várias preparações. O projeto Guardiões das Sementes Crioulas busca preservar as práticas agroecológicas tradicionais”, afirmou Marcos.

Fernando Mack morou em vários estados do Brasil, até fixar residência em Cuiabá (MT). “A Região Centro-Oeste tem três biomas distintos. No cerrado tem floradas de mel o ano inteiro e frutas como peras, mangaba, cerejas do cerrado, baru e outras. Várias espécies de pequi de tamanho e sabor diferente. As pessoas só aproveitam a polpa e jogam fora a casca e a castanha, provavelmente as partes mais nobres. Tem empresas exportando o ouriço para os Estados Unidos e processando a castanha que é vendida muito cara no Mercado de Pinheiros, em São Paulo. Toda essa riqueza vai para o lixo”, destaca Fernando.

Para Raul Godoy, o Brasil tem a maior biodiversidade do mundo e a Região Norte, principalmente a Amazônia, talvez abrigue o melhor exemplo disto. ”No nosso restaurante (Bio-Comer Saudável), assumimos o compromisso de evitar o desperdício. Reduzimos substancialmente o lixo e tudo é comestível. Precisamos aprender com os indígenas da Região Norte, que não conhecem a abundância. Eles pescam um pirarucu de 200 quilos, colocam na brasa e consomem tudo. O que por acaso sobra, salgam com sal de pedra, secam e vira farinha (piracui). O açaí é um fruto muito saudável, que ficou conhecido fora do Brasil, e agora estamos aprendendo a processar”, explica Godoy.

 

Sobre a ONG Banco de Alimentos

Banco de Alimentos é uma associação civil que atua para minimizar os efeitos da fome e combater o desperdício de alimentos. A organização, pioneira no Brasil no conceito de “colheita urbana”, foi fundada em 1998 pela economista Luciana C. Quintão. De janeiro de 1999 a dezembro de 2016 foram arrecadadas mais de 6 mil toneladas de alimentos, evitando um grande desperdício. Os alimentos distribuídos são excedentes de produção e de comercialização, perfeitos para o consumo. A distribuição possibilita a complementação alimentar diária para assistidos pelas 45 instituições cadastradas no projeto: mais de 20 mil pessoas, entre crianças, jovens, adultos e idosos. http://www.bancodealimentos.org.br/

 

Comentários
Redação
Criado e desenvolvido por Dennis Moraes, o site SB24horas surgiu em 08 de janeiro de 2013. Após um tempo na cobertura de eventos, criou o portal com o objetivo de levar a informação regional ao mundo, através da web. Atualmente o portal ultrapassou a marca de 350 mil visualizações mensais. Nossa Visão Ser reconhecida pelo maior número de pessoas e se tornar referência entre os meios de comunicação da Região Metropolitana de Campinas, com o pioneirismo da TVWeb. Nossos Valores Compromisso com a verdade; Apuração dos fatos; Compromisso com a qualidade; Transparência, integridade e idoneidade; Comportamento ético; Responsabilidade com o público;
http://sb24horas.com.br