DEIC/SP realiza operação contra quadrilha de estelionatários na região

Policiais do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais) da Polícia Civil da Capital, deflagaram na manhã desta terça-feira (07), uma importante ofensiva para desmontar um esquema articulado de golpes contra clientes de bancos em todo o Brasil. A operação conta com mais de 70 policiais.

 

Segundo os policiais do DEIC, a quadrilha conseguia descontar cheques de altos valores reproduzindo com perfeição a assinatura do correntista e “seqüestrando” por algum tempo a linha telefônica da vítima. O prejuízo pode atingir até R$ 5 milhões em um período de 10 meses.

 

As equipes cumprem ao todo 18 mandados de busca e apreensão e 15 mandados de prisões na cidade de São Paulo e nos municípios de Nova Odessa, Piracicaba e Sumaré. A ação teve início ainda durante a madrugada e contou com a participação de 75 policiais de diversos setores do DEIC.

 

Foram pelo menos oito meses de apurações desenvolvidas pela 2ª DIG (Delegacia de Investigações sobre Estelionato), os policiais descobriram que os golpistas conseguiram aliciar funcionários de instituições financeiras para obter informações completas sobre os principais correntistas, dessa maneira conseguiam dados cadastrais como qualificação completa, nome, endereço, telefones, números de documentos de identificação e das contas correntes, além da assinatura.

 

As informações eram compartimentadas entre os diversos setores da quadrilha, os golpistas contavam ainda com um especialista que conseguia reproduzir fielmente os cheques assinados. O documento era tão bem elaborado que até a própria vítima não acreditava não ser dela a assinatura, outra diversificação era o seqüestro da linha telefônica, eles conseguiam clonar o número do correntista e assim quando os funcionários dos bancos ligavam para confirmar a transação eram autorizados pelos próprios vigaristas.

 

Segundo o delegado Newton Fugita, da 2ª DIG, os golpistas chegavam a ligar para as vítimas como funcionários de operadoras de telefonia. “Pediam para manter o telefone desligado por 46 minutos alegando uma manutenção no sistema. Nesse período conseguiam autorizar o saque do dinheiro”, explicou o delegado da 2º DIG/DEIC-SP Fugita.

 

O dinheiro era transformado em bens de consumo, principalmente veículos de alto padrão, pelo menos uma pessoa já foi presa, além de veículos de luxo, cheques e identidades falsas, ainda hoje, está marcada uma coletiva de imprensa para passar os resultados de toda a operação, os golpistas responderão por estelionato e associação criminosa.

Redação – Rafael Rezende

Comentários