CPFL Paulista oferece dicas de segurança nas festas juninas

Concessionária alerta para os riscos com a instalação de barracas e fogueiras próximas à fiação elétrica

 

Enfim, junho chegou. Mês muito aguardado para aqueles que apreciam as famosas Festas Juninas. Em todas as cidades da área de concessão da CPFL Paulista, igrejas, agremiações locais e comunidades promovem os tradicionais “arraiás” ou quermesses. Com muitas barraquinhas, que oferecem desde comidas e bebidas a brincadeiras, as festas juninas têm diversão garantida, fazendo desse período um convite aos momentos de alegria e descontração com amigos e familiares, mas também de reforço à segurança.

 

“E imprescindível que as instalações elétricas de toda infraestrurura estejam de acordo com as normas técnicas. Manter a segurança de todos que participam desse importante evento cultural é garantia de diversão; e nós da CPFL estamos à disposição para atender a todos que necessitarem de orientação. Outra importante recomendação é para que a distância da rede elétrica deva ser sempre respeitada, destaca Rodrigo de Vasconcelos Bianchi, gerente de Serviços de Rede”.

 

Além dos alertas apontados por Rodrigo de Vasconcelos Bianchi, confira a seguir uma lista com 6 dicas que a CPFL Paulista preparou especialmente para a população, com o intuito de promover a segurança e garantir a alegria até o final das festas:

 

  • Montagem de barracas: Muitas vezes, não há a preocupação em chamar um eletricista ou especialista para checar se as instalações elétricas estão de acordo com as normas técnicas e sem apresentar riscos aos que estão trabalhando ou participando do evento. A infraestrutura para as festas deve ser montada, considerando todos os cuidados para garantir a segurança dos participantes, de modo que barracas, palanques e palcos sejam montados sempre a uma distância segura da rede elétrica.

 

  • Conexões clandestinas: É importante lembrar que ligações clandestinas são proibidas e consideradas ato criminoso. Procure atentar-se aos cuidados com a rede de iluminação e de alimentação das tomadas. O correto é sempre utilizar os serviços de um eletricista certificado para executar toda a fiação e fazer a adequada conexão à rede elétrica. Recomenda-se a utilização de equipamentos que tenham garantia de segurança. Procure o selo do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), que garante a qualidade desses aparelhos e consulte sempre os técnicos da distribuidora de energia sobre os parâmetros de segurança com a rede elétrica, antes de montar a festa.

 

  • Manuseio de materiais próximo à rede elétrica: Também é importante que todos os profissionais envolvidos com a montagem de barracas fiquem atentos ao manusear vergalhões de ferro, arames, escadas, réguas de alumínio e outros materiais metálicos ou não, os quais, em contato com a rede elétrica, podem provocar graves acidentes. Outro cuidado é ao instalar as tão coloridas ”bandeirinhas”. Sinônimo da alegria que permeia a festa junina, as bandeirinhas, de maneira alguma, devem ser penduradas nos postes e nos cabos de energia e nem conter fios ou cabos metálicos em sua confecção.

 

  • Fogo x Poste: A fogueira, outro símbolo representativo das festas juninas, não deve ser acesa próxima à rede elétrica. O calor das chamas pode danificar os fios, cabos e postes, causando o corte no fornecimento de energia para aos clientes da CPFL Paulista.

 

  • Avaliação do local: Um alerta importante para os pais que vão levar os filhos para participar de Festas Juninas é que, ao chegar ao local, prestem atenção em todo o entorno da festa. Observem a estrutura das barracas e vejam se existem fios de energia passando por locais onde irão pisar, se a fiação não está solta ou baixa ou com fios mal emendados e desencapados. Lembrem-se de que o risco de acidente é grande nesses casos e a festa pode se transformar em fatalidade.

 

  • Balões não!: Outro costume muito comum durante o período é a prática de soltar balões. Os balões podem provocar graves acidentes se caírem em áreas residenciais e industriais, além do risco de incêndios, caso atinjam a rede elétrica ou as subestações. Se caírem próximos às linhas de transmissão, podem interromper o fornecimento de energia para um grande número de consumidores. De acordo com o Art. 42 da Lei de Crimes Ambientais nº 9.605 – que criminaliza as condutas de fabricar, vender, transportar ou soltar balões que possam provocar incêndios nas florestas e demais formas de vegetação, em áreas urbanas ou qualquer tipo de assentamento humano –, a pessoa que for flagrada no cumprimento dessas atividades pode ser presa e cumprir pena de um a três anos de detenção, ou multa, ou ambas condenações cumulativamente.

 

Campanha de Segurança

 

O contexto deste informativo com dicas de segurança nas festas juninas está inserido na campanha de segurança que a CPFL Energia iniciou esta semana, destinada a alertar a população sobre os riscos do convívio inadequado com a rede elétrica e reduzir o número de acidentes. Alcançando 623 municípios das áreas de atuação das nove distribuidoras do Grupo nos estados de São Paulo e Rio Grande do Sul, a campanha envolverá as ações online e off-line de comunicação para o engajamento da população e profissionais que trabalham na área de construção civil com os temas divulgados pelo Grupo CPFL.

 

Com a mensagem “Chega de Choque”, a campanha busca conscientizar sobre a importância da redução dos índices de acidentes com profissionais liberais, como pintores de fachadas, calheiros, colocadores de painéis, eletricistas particulares e trabalhadores da área rural, bem como advertir a população sobre outros perigos, como o de se empinar pipas próximo da rede elétrica, usar cabos energizados para pendurar bandeirolas durante festas juninas, fazer ligações elétricas sem conhecimento, etc.

 

A campanha, que terá duração até dezembro deste ano, envolve a divulgação de conteúdos sobre segurança em rádios, Facebook e banners de internet, em anúncio em jornal e carro de som.

 

Sobre a CPFL Energia

 

A CPFL Energia, há 104 anos no setor elétrico, atua nos segmentos de distribuição, geração, comercialização e serviços. Desde janeiro de 2017, o Grupo faz parte da State Grid, estatal chinesa que é a segunda maior organização empresarial do mundo e a maior companhia de energia elétrica, atendendo 88% do território chinês e com operações na Itália, Austrália, Portugal, Filipinas e Hong Kong.

 

Com 14,3% de participação, a CPFL Energia é líder no mercado de distribuição, totalizando mais de 9,1 milhões de clientes em 679 cidades, entre os estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraná. Na comercialização, é uma das líderes no mercado livre, com participação de mercado de 14,1% na venda para consumidores finais. É líder na comercialização de energia incentivada para clientes livres entre as comercializadoras.

 

Na geração, é a terceira maior agente privada do País, com um portfólio baseado em fontes limpas e renováveis, como grandes hidrelétricas, usinas eólicas, térmicas a biomassa, Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH) e usina solar. Considerando a participação acionária na CPFL Renováveis, maior empresa de geração da América Latina a partir de fontes alternativas de energia, a capacidade instalada do Grupo CPFL alcançou 3.258 MW, no final do primeiro trimestre de 2017.

 

A CPFL Energia possui ações listadas no Novo Mercado da BM&FBovespa e ADR Nível III na NYSE, além de participar do Índice Dow Jones Sustainability Index Emerging Markets. Pelo 12º. ano consecutivo, as ações da companhia integram a carteira do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da BM&FBovespa. O Grupo também ocupa posição de destaque em arte e cultura, entre os maiores investidores brasileiros, por meio do Instituto CPFL.