Conheça o Bumba-Meu-Boi, Tambor de Crioula e o São João de SÃO LUIS pelas lentes do fotógrafo YURI GRANEIRO

No mês de junho, durante a festa de São João, a cultura do Maranhão aflora nos quatro cantos da ilha. Os maranhenses invadem os festejos, e, é isso que o fotógrafo Yuri Graneiro buscou em sua pesquisa de imagens por toda a região, onde os grupos de Bumba-Meu-Boi, Tambor de Crioula e atrações dão o clima da festa dos arraias espalhados por São Luís.  A manifestação é tombada como Patrimônio Imaterial Brasileiro e as apresentações que se estendem até o mês de julho nos diversos arraias da ilha, porém o ponto alto é o batismo do boi, que ocorre na passagem do dia 23 para 24 de junho, dia de São João.

 

Durante os festejos, a comitiva oficial do Diretor da Câmara Itamilson Corrêa Lima acompanhou o fotografo Yuri Graneiro em São Luis para apresentar os principais grupos de Bumba-meu-boi. Com isso Yuri Graneiro teve uma imersão nos principais sotaques da festa popular, ou seja, aprendeu com propriedade as formas próprias dos diversos bumba-meu-boi de se expressar. Podendo conferir como funciona a confecção das roupas, que é um oficio e fonte de renda dos habitantes, onde eles nos instrumentos e indumentárias eles aplicam penas de ema, fitas, bordados minuciosos com miçangas, paetês e vidrilhos. E ainda o fotografo pode conferir como se desenvolve as coreografias, a performances dos instrumentos e da cadencia da musica em todos os encontros dos estilos, como explicado abaixo

Os sotaques do Bumba-meu-boi são:

 

Matraca – Tem como principal instrumento a matraca, dois pedaços de madeira que são batidos um no outro, e o pandeiro rústico, feito de couro de cabra. O sotaque de Matraca tem um ritmo acelerado, embalado por dezenas de matraqueiros.

 

Zabumba – Têm como puxadores o ritmo africano das zubambas, grandes tambores tocados por maceta. As matracas e os pandeirinhos dão complemento ao som de zambumba. O figurino não deixa a desejar, rico em cores e detalhes dão vida a história contada através de seu ritmo. Roupas aveludadas, chapéus repletos de fita, saias longas e bordadas dão vida ao ritmo. Zambumba se tornou predominante na região de Guimarães e arredores.

 

Orquestra – Ritmo muito alegre e festivo, que se originou na região de Munim. A banda com instrumentos de corda e sopro são destaque. A elegância de seus participantes é inigualável, trajes em veludo cheios de bordados e miçangas, embalam no ritmo de instrumentos de saxofones, clarinetas e banjos.

 

Baixada- Embora o uso de pandeiros e matracas, o som é mais lento e leve. O segredo do tom suave é o toque ritmado. Chapéus suntuosos, roupas de veludo composta de bordados e penas, dão identidade a baixada. O personagem que caracteriza esse sotaque é Cazumba (meio bicho, meio homem).

 

Costa de Mão- Ao som de caixas, maracás e o pandeiro tocado de forma curiosa com as costas da mão, embalam um ritmo cadenciado. Esse sotaque surgiu na região de Cururupu e seu figurino é composto por casacos e calças bordadas e chapéus enfeitados com flores têm o formato de cogumelo funil.

 

 

O Yuri Graneiro fotografou com sensibilidade e delicadeza cada detalhe da magnífica festa. Bandeirinhas enfeitam toda a cidade, dando cor, vida, em um ambiente de muita alegria e descontração. As comidas típicas e tradicionais são de dar água na boca, arroz de cuxá, torta de camarão, peixe frito, patinha de caranguejo são uns dos aperitivos preferidos dos visitantes.AS tradicionais quadrilhas juninas não faltam, tambor de crioula, caruriá, dança de coco, bambaê de caixa, dança de Lelê, dança portuguesa, dança do boiadeiro, além dos cem grupos que interpretam o tradicional Bumba- meu- boi.

 

O destaque fica com o tambor de crioula. Uma dança de origem africana, praticada por descendentes de escravos no Maranhão, como pagamento de promessa a São Benedito e a outros santos vinculados ao tradicional catolicismo. As dançarinas são identificadas como coreiras pelos tocadores e cantadores, a dança é conduzida pelo ritmo de tambores tocados de forma ininterrupta e pelo canto. A umbigada e a punga fazem parte da coreografia, na verdade é a parte principal da dança, é um gesto na qual as coréias se saúdam de forma coreografada tocando o ventre uma das outras. Existem outros tipos de danças de umbigada pelo Brasil e África, mas somente no estado do Maranhão essa dança é conhecida como Tambor da crioula.

 

Ao visitar mais uma vez o São Joao de São Luis do Maranhão Yuri Graneiro que é um estudioso em cultura popular, afirma se surpreender a cada ano com o São João de São Luis do Maranhão. E se você ainda não conheceu, está perdendo uma grande oportunidade de encontrar uma excelente variedade de cardápios, forró, atrações de tirar o fôlego, história e muita descontração em um só lugar

 

Fotos: Yuri Graneiro / Black Empreendimentos

Thiago Freitas