Capivari recebe Circuito Sesc de Artes no dia 5 de maio

O município receberá sete atrações gratuitas na Praça Central.

Música, dança, teatro, circo, cinema, artes visuais e literatura integram a programação do Circuito Sesc de Artes que será realizado na Praça Central de Capivari, no dia 5 de maio, das 16h às 21h30. Realizado pelo Sesc São Paulo, o evento itinera por mais 118 cidades do interior, litoral e Grande São Paulo, entre os dias 28 de abril e 14 de maio, com todas as atividades gratuitas e livres para todos os públicos.

O Circuito Sesc de Artes é um dos projetos que o Sesc São Paulo realiza para inspirar os diversos usos dos espaços públicos, como: lugares de convivência, encontro e democratização do acesso à cultura e artes em geral.

Segundo o Diretor Regional do Sesc São Paulo, Danilo Santos de Miranda, o Circuito Sesc de Artes tem a missão de colaborar com o acesso do público às diversas atividades culturais. “Em 2017, ampliamos a programação e o número de cidades que recebem o Circuito Sesc de Artes, sempre com a colaboração dos órgãos municipais. Esse contato entre a população e as diferentes manifestações artísticas é fundamental para o despertar do interesse do público pelas diferentes linguagens apresentadas“, ressaltou.

Para o prefeito, Rodrigo Proença, essa é uma oportunidade da população acompanhar a arte e cultura de diversas partes do País. “Com toda a certeza apoiamos a vinda do circuito para o município de Capivari. A população poderá acompanhar diversas apresentações e expressões artísticas durante um só evento. Não deixem de participar. Leve sua família e chame os amigos”, convidou.

Na internet

O site do Circuito Sesc de Artes será diariamente atualizado com produções exclusivas, registrando histórias curiosas, destaques da programação e personalidades de cada cidade envolvida na programação. Basta acessar sescsp.org.br/circuitosescdeartes e conferir estes conteúdos, incluindo toda a grade de programação.

O Circuito Sesc de Artes 2017

A programação envolve 80 trabalhos artísticos com 529 artistas em 882 apresentações, sempre de sexta a domingo. As apresentações serão realizadas em espaços públicos, como praças e ruas com cerca de 700 horas de programação. Nessa iniciativa, o Sesc SP tem a parceria das prefeituras e sindicatos do comércio locais. Para a coordenação dos trabalhos, 21 unidades do Sesc em todo o Estado estão envolvidas na realização do evento que ocorre em cidades de suas regiões.

Programação

Acompanhe a programação do município de Capivari:

– Sticker Art Adesivos Personalizados: o Coletivo SHN (SP), que soma quase 20 anos de produção de stickers e arte de rua, transmitirá sua experiência ao público. Serigrafia, carimbo, desenho e colagem são algumas das técnicas simples e acessíveis que os participantes poderão usar para desenvolver suas próprias etiquetas adesivas.

– Polaroide Poética: o público será convidado a escrever seus próprios poemas manipulando as palavras de autores como Manoel de Barros, Aline Ruiz e Sergio Vaz. Depois de fixar as palavras em um quadro metálico, o escritor é fotografado com sua produção e leva a imagem para casa.

– Carrilhão: Mercadores de diferentes épocas e lugares do planeta ganham vida no espetáculo cheio de acrobacias e truques de equilíbrio. Os vários personagens exploram questões como a paixão pela prosa, a simpatia do mascate e aquilo que está em jogo em uma negociação: produtos, mas também palavras e ações.

– Orquestra Frevo Capibaribe (PE): patrimônio imaterial da humanidade, o frevo se apresenta em uma manifestação musical e dançante nesta celebração. O show faz um passeio pelos bailes e desfiles dos tradicionais blocos do Carnaval de Recife e Olinda, principiando com um cortejo de aquecimento e culminando numa grande festa

– Cine Dance! (SP): O público se apropria de coreografias icônicas do cinema nesta instalação interativa. Munidos de figurino e fones de ouvido, os participantes dançam guiados por cenas como os clássicos passos de Gene Kelly na chuva, de Singin’ In the Rain, ou a dança imperdível de Jennifer Grey e Patrick Swayze em Dirty Dancing.

– Yebo: a batida de botas de borracha no solo deu origem ao gumboot, dança popular criada pelos trabalhadores das minas de ouro e carvão da África do Sul no século XIX. Neste espetáculo, bailarinos apresentam a dança, que faz uso da base rítmica, da percussão corporal e do canto.

– Homem da Silva: esta tragédia contemporânea pondera sobre o homem e suas escolhas, tratando de decisões tomadas em situações-limite. Da Silva se depara com uma proposta de emprego inacreditável, absurda. Ninguém aceitaria, mas ele tinha como meta o trabalho e o sustento da família e foi em frente, questionando sua própria dignidade. Denso e intimista, o espetáculo é um convite à reflexão.

Comentários