Capivari promove Semana de Prevenção e Controle da Leishmaniose Visceral

“#Eu apoio e faço parte”. Este é o tema escolhido para a emana de Prevenção e Controle da Leishamaniose Visceral que ocorre de 07 a 11 de agosto no Estado de São Paulo.

Devido ao aumento do número de casos no Estado, a Secretaria da Saúde, que está em sistema de alerta, se antecipou e realizou um treinamento para os Agentes Comunitários da Saúde e Agentes de Controle de Vetores sobre Leishmaniose. A equipe de enfermagem também foi orientada e regularmente recebe informativos da Vigilância Epidemiológica.

Sobre a doença

A Leishmaniose visceral é uma doença grave, causada por um parasito transmitido para pessoas e cães por meio da picada de um inseto (vetor) muito pequeno, conhecido como “mosquito palha”. Esse mosquito costuma picar ao entardecer e durante a noite.

No ciclo da doença o inseto pica um cão doente (portador do parasito e depois pica uma pessoa saudável, que também pode desenvolver a doença.

Sem o inseto, não há transmissão da leishmaniose. Então a melhor prevenção é evitar a proliferação do mosquito palha. As fêmeas põem seus ovos na terra úmida, sombreada e com acúmulo de folhas, frutos e fezes de animais e isso dá início à proliferação do vetor.

Medidas simples para manter o ambiente limpo protegem você, seus familiares e sua comunidade da leishmaniose. Cada cidadão deve limpar diariamente quintais e jardins, recolhendo todo material orgânico do chão (fezes de animais, folhas, frutos, etc). É nesse material acumulado que as fêmeas do inseto põem seus ovos e geram uma grande quantidade de novos mosquitos que transmitirão a doença para pessoas e cães.

Proteção para o humano, proteção para o cão

Os cães merecem todo carinho e proteção para que não sejam picados pelo inseto transmissor da LV. Mantenha-os com boa higiene, evite que fiquem soltos na rua e, em municípios onde haja transmissão, coloque coleiras próprias para a prevenção da doença (informe-se sobre a indicação e uso correto) ou use repelentes líquidos.

Outras medidas que ajudam a manter o mosquito palha longe é a colocação telas finas nas janelas e portas da casa e repelentes.

Sinais e sintomas em humanos

Febre durante muitos dias, perda de peso, fraqueza, anemia e aumento do fígado e baço. Em casos graves podem ocorrer sangramentos. O diagnóstico e tratamento estão disponíveis no SUS (Sistema Único de Saúde).

Sinais e sintomas nos cães

Os cães infectados pelo parasito podem adoecer logo ou demorar meses para apresentar sintomas. Todos os cães infectados, mesmo aqueles sem sintomas aparentes, são fonte de infecção para o inseto transmissor e, portanto, um risco para a saúde.

Os sintomas nos animais são: emagrecimentos, queda de pelos, crescimento das unhas, descamação da pele, fraqueza, feridas no focinho, orelhas, olhos e patas. A única forma de saber se os cães estão infectados é por meio de exames específicos de laboratório. O tratamento dos cães doentes não é recomendado, por não apresentar eficácia comprovada.

 

Mais informações na Vigilância Sanitária na Rua João Marchioretto, 78, no Jardim São Marcos ou pelo telefone 3492-1606.