CAIXA antecipa para sábado início da quarta fase de pagamento das inativas do FGTS

Nascidos em setembro, outubro e novembro poderão sacar em casas lotéricas e 2.015 agências a partir deste sábado (10)

A CAIXA anunciou, nesta terça-feira (6), a antecipação da quarta fase de pagamento das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para este sábado (10). Agendada inicialmente para 16 de junho, a quarta fase prevê o pagamento para 7,5 milhões de trabalhadores nascidos nos meses de setembro, outubro e novembro, que terão disponíveis um total de aproximadamente R$ 11 bilhões, representando cerca de 25% do total para saque de acordo com a MP 763/2016, aprovada pela Lei 13.446.

Mais de 2,4 milhões de trabalhadores receberão automaticamente o crédito em suas contas poupança da CAIXA no dia 10 de junho. Para atender exclusivamente sobre as contas inativas do FGTS, 2.015 abrirão neste sábado, das 9h às 15h. A relação das agências com o atendimento especial de sábado pode ser consultada no site da CAIXA, selecionando a cidade. Ainda 69 salas de autoatendimento contarão com empregados CAIXA para auxiliar no caso de dúvidas.

2017-06-06_tabela-antecipacao-fgts.jpg

Nos primeiros dias úteis de pagamento desta penúltima etapa, segunda, terça e quarta-feira (12, 13 e 14), todas as agências funcionarão com duas horas a mais. Em agências que abrem às 11 horas, funcionarão a partir das 9 horas. As que normalmente abrem às 10 horas abrirão às 8 horas, e as que funcionam a partir das 9 horas abrirão às 8 horas e fecharão uma hora mais tarde.

O estado de São Paulo possui o maior número de trabalhadores que poderão sacar nesta quarta fase. São 2,4 milhões de pessoas, seguido por Minas Gerais, com 837,5 mil e Rio de Janeiro, com 679,3 mil.

Balanço até a terceira fase
Desde o início do calendário de saques das contas inativas do FGTS, em 10 de março, até 2 de junho, de acordo com o último balanço de pagamentos, a CAIXA registrou o pagamento de R$ 27,6 bilhões, chegando a 95,2% do total disponível para os trabalhadores nascidos entre janeiro e agosto. Até a última sexta-feira (2), 16,3 milhões de trabalhadores que têm direito ao saque retiraram seus valores, ou 81% das 20,1 milhões de pessoas beneficiadas no período.

2017-06-06_infografico-balanco-primeira-a-terceira-fase.jpg

O presidente da CAIXA, Gilberto Occhi, explica que o volume de saques previsto inicialmente aumentou. “Para a CAIXA, algumas contas estavam como ativas porque não tinham o registro da rescisão. Quando o trabalhador leva o termo de rescisão, automaticamente fazemos a atualização do cadastro, que passa de uma conta ativa para inativa e o trabalhador tem o direito de sacar esse valor”, disse o presidente, na coletiva de imprensa realizada em Brasília, no Edifício Matriz da CAIXA. Estima-se hoje que o total pode chegar a R$ 40 bilhões, R$ 5 bilhões a mais que o previsto antes do início dos pagamentos.

A próxima e última fase de pagamento terá início em 14 de julho, quando os trabalhadores nascidos em dezembro passam a ter acesso ao saldo das contas inativas. Serão 2,5 milhões de pessoas, 8,1% do total dos contemplados. O prazo final de saque para todos os trabalhadores é 31 de julho.

2017-06-06_infografico-pagamentos-por-regiao.jpg

Aplicativo e SMS para acompanhamento de depósitos
Além de consultar se possui saldo em contas inativas no site específico dentro do portal da CAIXA, o trabalhador pode acompanhar o saldo de contas inativas e ativas e conferir os depósitos efetuados pelo empregador por meio do internet banking, no caso de correntistas, do aplicativo FGTS para smartphones e do recebimento de mensagens SMS no celular.

Desde o anúncio da Medida Provisória, a procura pelas ferramentas aumentou. Até o final de maio, o aplicativo do FGTS alcançou 8,7 milhões de downloads, e 5,9 milhões cadastraram o celular para receber mensalmente as mensagens automáticas de depósitos e atualizações de saldo de contas.

“Quase 6 milhões de trabalhadores cadastraram o telefone na CAIXA. Isso é fundamental porque a CAIXA encaminha mensalmente o depósito feito na conta do trabalhador, a correção promovida pelo banco e o saldo total das contas. É muito importante e transparente a informação. Dá ao trabalhador a oportunidade de acompanhar se o seu empregador está fazendo o depósito”, explicou o presidente da CAIXA, Gilberto Occhi.

Comentários