Aumento da expectativa de vida gera novos casos de LER

28 de fevereiro é dia de reforçar a luta contra as doenças ocupacionais

Com o aumento da expectativa de vida, temos atualmente mais idosos ativos no mercado de trabalho. Alguns serviços exigem movimentos repetitivos por longos períodos em uma única posição, como dirigir ou costurar. Para muitas pessoas, ficar sentado por mais de oito horas pode causar dores e lesões que são agravadas durante a velhice.

 

Por isso, o dia 28 de fevereiro é dedicado ao Dia Mundial de Combate a LER/DORT. A data foi escolhida pela Organização Internacional do Trabalho para conscientizar a população sobre os distúrbios osteomusculares relacionados ao Trabalho (DORT), que incluem as lesões por esforços repetitivos (LER).

Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgada em 2013, mais de 3,5 milhões de pessoas com mais de 18 anos declararam ter recebido diagnóstico médico de LER/DORT. Esse número corresponde a 2,29% da população estimada pela pesquisa.

A síndrome agrupa diversas doenças como tendinite, bursite, síndrome do desfiladeiro torácico e outras que são causadas por movimentos repetitivos. A LER geram dor e inflamação nos músculos, ligamentos, nervos e tendões, acompanhados de paralisia, sensação de peso e fadiga.

De acordo com a Dra. Bárbara Pereira Braga, médica responsável pelos idosos do Lar dos Velhinhos de Campinas o diagnóstico precoce ajuda a combater as dores e aumenta o sucesso no tratamento. “O tratamento pode envolver, entre outras ações, a mudança de função ou afastamento temporário do trabalhador, durante o processo de reabilitação. Além de medicações como analgésicos, anti-inflamatórios e medicações para dor crônica. Os pacientes devem ser inseridos em programas multiprofissionais, com fisioterapia, terapia ocupacional e apoio em saúde mental. Em raros casos, o tratamento cirúrgico pode ser indicado”, aponta a médica.

 

A fim de diminuir os casos de lesões e doenças entre os idosos relacionados ao esforço repetitivo, o Lar dos Velhinhos de Campinas oferece alternativas como: ginástica para melhorar a coordenação motora, alongamento e musculação que ajudam a prevenir as dores no corpo além de combater o estresse.

 

Comentários