ARTIGO – Redes Sociais: Até que ponto somos manipulados e conduzidos por ela?

Que as redes sociais são os maiores meios de comunicação atualmente, isso não se pode negar. Uma postagem pode te trazer fama em minutos, mas também pode destruir a vida e reputação de pessoas com a mesma velocidade.

A distorção de valores é muito grande. Hoje todos são repórteres, todos julgam e condenam sem saber realmente os fatos, apenas registram tudo com celulares, reproduzem nas redes e deixam “o circo pegar fogo”. Esses celulares podem ser armas mais letais que um revólver.

Casos, como o do motorista que atropelou skatistas em São Paulo. Um primeiro vídeo postado, e todos já apedrejaram o motorista, divulgaram dados pessoais na internet, milhares de ofensas. Depois outros vídeos foram aparecendo e uma nova história surgiu. E aí quem é culpado nesse capítulo? O motorista que atropelou, o skatista que correu atrás do carro para agredir ou quem postou o vídeo sem ao menos saber o que realmente aconteceu?

Não conseguimos viver sem a internet, sem a comunicação rápida e eficaz que ela traz, mas até que ponto somos manipulados e conduzidos por ela?

O seu direito vai até onde começa o direito do próximo. Você é a vítima, o culpado, o advogado, o juiz e até Deus nas redes, sem ao menos precisar mostrar a cara. Aí é muito fácil bancar o herói, o justiceiro.

Hoje a realidade e a verdade só são vistas do nosso ponto, só importando nossa opinião e nosso modo de pensar. A vida, a reputação, a família do próximo pouco importa se um post tiver milhares de likes e se ganharmos alguns minutos de atenção e visibilidade.

 

Por Carlos Sisdelli – Jornalista

Comentários