Artigo – Em favor da Vida, contra o suicídio

Por Paiva Neto

Nos tempos atuais não é difícil encontrar alguém desesperado, desiludido e desanimado a indagar-se: “Quanta luta! Para quê? Será que vale a pena tudo isso? Também, se o mundo vai acabar – como dizem por aí –, para que continuar?”

Meu amigo, se esse é o seu caso, saiba de antemão que o planeta Terra não vai acabar tão cedo. Como aprendemos na Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, o que vai ter fim é o mundo da maldade, este estado de coisas terrível que QUASE está levando você à derrota. Veja bem que escrevi QUASE, e o fiz com todas as letras maiúsculas, porque você vai vencer tudo aquilo que o atormenta. Mas atenção: o fim do corpo não termina coisa alguma“Não há morte em nenhum ponto do Universo”, dizia Alziro Zarur (1914-1979), saudoso fundador da Legião da Boa Vontade (LBV). Quem pensa livrar-se do sofrimento pelo suicídio defrontar-se-á com uma horrenda surpresa: vai encontrar-se mais vivo do que nunca, sofrendo as consequências do seu ato de rebeldia contra a Vontade do seu Criador. Também ensinava Zarur que “o suicídio não resolve as angústias de ninguém”.

Dentro da sua Cruzada Salvemos Vidas, a Religião do Terceiro Milênio trabalha intensamente para levar a todos o precioso conhecimento de que a existência é eterna. Dessa maneira, declara-se contra o suicídio.

Suicidar-se não é apenas liquidar a própria vida. Diretamente todo gesto que ofenda a Lei Divina é suicídio. O mau religioso é um suicida, assim o é também o mau cientista, o mau político, o mau educador, o mau artista, o mau comunicador, o mau esportista, em suma, o ser humano mau. Todo aquele que perpetrar atos contra seu semelhante é um suicida. Quem prejudica a Natureza, faz guerra, cultiva a maledicência, pratica a corrupção etc., o que mais são além de suicidas?

Respeitar a Vida, em qualquer um de seus estágios, é a Lei Máxima que devemos cumprir, não somente em respeito ao semelhante, mas, da mesma forma, quanto a nós mesmos, sob pena de criarmos um inferno particular, estado de consciência comparado à segunda morte (Apocalipse de Jesus, 20:14), ou morte espiritual de que nos fala a Bíblia Sagrada.

É conhecida esta divina verdade enunciada por Allan Kardec (1804-1869), o Codificador do Espiritismo: “Nascer, morrer, renascer (reencarnar), progredir continuamente: tal é a Lei”. Ninguém morre. Por isso suicidar-se é uma loucura, mesmo que o neguem alguns defensores dele que, de forma inconsequente, até incentivam a prática do suicídio. Pobres irmãos que, usando mal os meios de comunicação, constroem também a sua própria desgraça futura ao levarem tanta gente ao erro. Mas todo dia é dia de renovar nosso destino, pensamento que se encontra estampado ao pé do Altar de Deus, no Templo da Boa Vontade, em Brasília/DF, Brasil. Você pode não crer na perenidade da vida, mas deve conceder-se a si mesmo, ou a si mesma, o privilégio da dúvida. E se ela for de fato eterna? Já pensaram nisso?

Fonte: Livro O Brasil e o Apocalipse, volume 2, de julho de 1985 | Atualizado em julho de 2017.

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV).

Comentários

Notícias Relacionadas

Artigo: O difícil momento de dar a notícia da mort... Por Michele Maba Lidar com a perda é sempre doloroso, ser o portador da notícia do falecimento de alguém não é coisa mais confortável desse mundo. ...
Artigo – As crianças e a Mãe de Jesus Por Paiva Neto Em 12 de outubro, no Brasil, homenageamos Maria Santíssima, Mãe Universal da Humanidade, e as crianças, alegria do mundo! Os pequeni...
Artigo – Os dez mitos do Marketing Por Alberto Mistrello Na história da humanidade, criar mitos a respeito de poderes sobrenaturais para qualquer tipo de situação que foge ao domínio...
Artigo – Fraternidade realizadora e direitos... Por Paiva Neto Para a 58a sessão da Comissão do Status da Mulher (CSW), que ocorreu na sede da ONU em Nova York, EUA, de 10 a 21 de março de 2014, ...